Nova mídia de DVD promete durar mil anos

Discos graváveis têm vida útil extremamente curta, de cinco a dez anos. Entretanto, uma empresa norte-americana promete resolver o problema. Seus discos supostamente duram “até mil anos” e podem ser lidos em drives de DVD comuns.

CDs e DVDs parecem uma boa forma de armazenar seus dados importantes mas, na maioria dos casos, isso é uma péssima idéia. Assim como fotos antigas se desbotam e perdem as cores, a camada de material orgânico onde os dados são armazenados em discos ópticos graváveis é sujeita a deterioração, processo que pode ser acelerado ou retardado de acordo com as condições do ambiente.

Um CD-R bem guardado pode durar uma década, mas aquele disco com MP3 deixado no porta-luvas de um carro o verão inteiro, por exemplo, pode se tornar ilegível em apenas alguns meses. O tempo varia, mas o fato é que os discos vão falhar, é só uma questão de tempo. E se seu conteúdo forem fotos raras de família, ou parte inestimável do acervo de um museu? Junto com o disco, perde-se uma parte da história.

Este é o problema que a Millenniata (www.millenniata.com), uma empresa baseada em Springville, Utah, nos EUA, pretende resolver. Seu disco M-ARC (Millennial Archival Disc) é um DVD produzido com materiais especiais, que supostamente deverá durar mil anos.

O segredo é a substituição da camada de material orgânico por material inorgânico, estável e que não irá se deteriorar de acordo com as condições ambientais.

Os discos são gravados em equipamento especial desenvolvido pela própria empresa (um gravador externo batizado de M-WRITER), e podem ser lidos em qualquer drive de DVD ou DVD player comum.

Inicialmente o custo é alto: os DVDs M-ARC devem chegar ao mercado norte-americano em breve, com preço estimado entre US$ 25 e US$ 30 cada, mas a empresa espera que o preço caia com a produção em volume.

Mas a tecnologia tem um ponto fraco: o “substrato”, ou material onde a camada de dados é fixada. Atualmente, como em um DVD tradicional, tal camada é de plástico.

Em declaração ao jornal Daily Herald , o diretor de tecnologia da Millenniata, Doug Hansen, confessa: “O plástico pode limitar a vida útil efetiva em apenas alguns séculos, ou chegar aos mil anos. Na tecnologia convencional o plástico é o componente mais durável. Mas no nosso caso é o contrário”, diz.

A empresa espera, nas próximas versões, desenvolver substratos de vidro ou outros materiais, para aumentar ainda mais a durabilidade de seu produto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: